G2Tecnologia | SAP Business One, Consultoria SAP

5 dicas para melhorar a gestão tributária em pequenas e médias empresas

06 jun

5 dicas para melhorar a gestão tributária em pequenas e médias empresas

As empresas devem organizar-se financeiramente para manter seus tributos em dia. Para isso, é preciso a devida gestão tributária, principalmente nas médias e pequenas empresas. Quando o porte delas é menor, no entanto, a tributação pode ter um sistema de arrecadação diferenciado.

Confira a seguir 5 ótimas dicas para a gestão tributária de sua empresa, a fim de evitar atrasos e inadimplência!

1 – Opte pelo melhor regime tributário

Além do lucro real e do lucro presumido, as micro e pequenas empresas podem escolher o Simples Nacional, regime tributário simplificado que envolve IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP), cujo pagamento é feito através da guia de recolhimento DAS.

Para ser enquadrada na definição de microempresa, ela deve ter receita bruta inferior ou igual a R$ 360.000,00; como pequena empresa, sua receita bruta anual deve ficar entre R$ 360.000,00 e R$ 3.600.000,00. No lucro real, a tributação incide sobre o lucro real da empresa, apurado pela empresa e acrescido de ajustes. No lucro presumido, o lucro para incidência da tributação é fixado a partir de padrões aplicados sobre a ROB (receita operacional bruta).

2 – Conte com o auxílio de um contador

O empresário deve contar com a ajuda de um contador para acompanhar a gestão tributária — os serviços de contabilidade podem ser contratados ou terceirizados. O importante é que o contador seja responsável, credenciado e com boas referências. Não se trata de transferir a responsabilidade fiscal para o profissional de contabilidade, mas de receber sua ajuda para manter um controle saudável sobre o pagamento dos tributos. A obrigação será sempre da empresa, ela deve pagar os impostos, enquanto o contador emite as guias.

3 – Utilize um software de gestão

Embora ainda seja comum o uso da planilha do Excel para gerenciamento das atividades da empresa, é melhor optar pela automatização dos serviços. ERPs são cada vez mais solicitados por empresas pequenas como ferramentas de controle administrativo. São sistemas integrados de gestão que facilitam a administração de diversas áreas da empresa, inclusive daquela relacionada aos tributos. Muitos softwares de gestão estão integrados ao sistema do Fisco, contribuindo para a melhor organização dos pagamentos e corte de gastos.

4 – Realize auditorias

Auditorias fiscais permitem que o gestor se aprofunde ainda mais na legislação tributária e fiscal do país, que sofre constantemente mudanças e reajustes, além de ser muito complexa. O importante é que as empresas contratem os serviços de outras empresas especializadas para efetuar essas auditorias.

5 – Avalie e corrija os motivos da inadimplência

Se sua empresa está caindo na inadimplência, é preciso avaliar as razões pelas quais isso está acontecendo e procurar corrigir as falhas o quanto antes. Estude o caso e veja se este é um problema temporário, se os custos estão muito elevados e se a empresa está se ressentindo disso (os tributos devem estar inseridos nos custos da empresa), se a precificação dos produtos/serviços está errada, e se há contas em atraso (principalmente de impostos com a Receita). Saiba que atrasos no pagamento de tributos podem excluir a empresa do Simples Nacional.

Sua empresa está em dia com a tributação? Como faz a gestão tributária dela? Para aprender melhor como organizar suas contas, leia o nosso post sobre a Importância do Plano de Contas para a PME.

%d blogueiros gostam disto: