SAP Business One e Consultoria SAP

Armazenamento em nuvem: os 5 maiores erros cometidos na implantação

19 ago

Armazenamento em nuvem: os 5 maiores erros cometidos na implantação

Os sistemas de armazenamento em nuvem são utilizados por várias empresas como uma forma de manter informações acessíveis em vários locais com segurança e confiabilidade. As aplicações baseadas em cloud computing permitem o acesso remoto a arquivos variados, seja em celulares, tablets ou via web. Consequentemente, a sua adoção é vista por gestores como uma solução estratégica para tornar os serviços internos de uma empresa mais flexíveis e com maior mobilidade.

Apesar das vantagens, a adoção de um serviço de cloud storage exige um bom planejamento. Mal executada, a migração para uma plataforma na nuvem pode não proporcionar um ROI (Retorno Sobre o Investimento) satisfatório, além de impedir um ganho real de produtividade e flexibilidade para a empresa.

Quer saber mais sobre o tema? Então, leia abaixo a nossa lista com os 5 principais erros na adoção de um sistema de cloud storage!

1. Planejar mal a instalação de um sistema de armazenamento em nuvem

A migração para um serviço de armazenamento em nuvem exige um planejamento que deve incluir todos os setores afetados pela nova plataforma. Nesse cenário, o projeto de migração deverá contar com etapas de adaptação, treinamento de funcionários e o uso de métricas para avaliar como a ferramenta está sendo utilizada pelos funcionários. Assim, toda a documentação que envolverá o processo de migração servirá como um “roteiro” para gestores de TI e profissionais técnicos que atuarão na instalação e suporte para a nova solução.

2. Possuir métricas e indicadores não alinhados com a capacidade do negócio

Os KPIs são uma fórmula bem difundida pelo mercado para avaliar o sucesso de políticas de gestão e melhorias nos sistemas e processos de uma empresa. No entanto, quando mal planejados, eles podem aumentar para além do necessário a carga de trabalho dos profissionais de um negócio, elevando os índices de erros e, consequentemente, piorando a qualidade dos serviços prestados. Portanto, ao definir os índices de qualidade que serão mensurados para avaliação do serviço de cloud storage, procure dimensioná-los de acordo com a capacidade dos times de TI da empresa.

3. Não ter um Service Level Agreement (SLA)

O Service Level Agreement (SLA, ou Acordo de Nível de Serviço, em tradução livre) é um documento que guiará boa parte das relações profissionais e jurídicas entre a empresa que trabalha com cloud storage e os seus usuários. Por ser um contrato que define métricas, obrigações legais e atividades a serem prestadas em caso de quebra contratual, a companhia que adotará os serviços de armazenamento em nuvem deve garantir que a sua abrangência inclua o máximo de itens possível.

4. Ignorar a segurança e a privacidade do usuário

Por muito tempo, os serviços de cloud computing foram vistos como inseguros em termos de proteção contra ataques e privacidade. Entretanto, nos últimos anos, as soluções passaram a adotar uma série de tecnologias de criptografia e segurança digital para garantir que os seus usuários possam trabalhar em ambientes digitais realmente confiáveis.

Isso não diminuiu a necessidade de as empresas que adotam ferramentas na nuvem verificarem o nível de segurança da plataforma escolhida. Detalhes como o nível de controle de acesso que é disponibilizado, protocolos de segurança utilizados em troca de informações e o uso de criptografia são fundamentais para garantir a segurança de todos os usuários.

5. Não redimensionar a rede corporativa

Serviços de cloud computing são dependentes de conexões estáveis e com alta capacidade para funcionarem corretamente. Nesse sentido, é importante que a empresa redimensione a sua rede para garantir que a nova ferramenta não crie gargalos nas conexões corporativas, comprometendo o funcionamento de todos os serviços de rede. Isso poderá ser feito não só pelo upgrade de equipamentos, mas também com otimização de configurações, adoção de serviços de monitoramento e modificação nas políticas de acesso.

E ai, gostou do nosso texto? Então, compartilhe-o em suas redes sociais e ajude outras pessoas a evitarem esses erros!

%d blogueiros gostam disto: