G2Tecnologia | SAP Business One, Consultoria SAP

Por que você deve utilizar o Business Model Canvas na sua PME?

31 mar

Por que você deve utilizar o Business Model Canvas na sua PME?

Sem dúvida, montar um modelo de negócios é uma das tarefas mais temidas pelos empresários de diferentes setores. Muitos, inclusive, não dão a atenção necessária, já outros pulam essa etapa, partindo diretamente para a ação. Para auxiliar esses profissionais, Alex Osterwalder e Yves Pigneur criaram o Business Model Canvas (BMC), um quadro que deve ser preenchido com algumas informações importantes sobre o empreendimento.

Neste post vamos entender ainda mais por que esse método é tão eficiente e compreender como aplicá-lo. Acompanhe!

O que é o Business Model Canvas?

O Quadro de Canvas possui a função de guiá-lo e ajudá-lo na tomada de decisões estratégicas, que muitas vezes são deixadas de lado, tais como: segmentação de clientes, levantamento de custos, fontes de receita do negócio, entre outros.

O que faz o BMC ser um dos queridinhos por diretores de empresas como Nestlé, SAP e Nasa é a integração entre os blocos, que vai facilitar e incentivar o pensamento sistêmico sem precisar armar um documento de diversas páginas.

Por que o BMC não serve apenas para grandes empresas?

Muitos empresários acreditam que montar um Business Model Canvas serve apenas para grandes empresas ou multinacionais. No entanto, o BMC também é extremamente útil para pequenas e médias companhias que estão começando ou que desejam inovar.

O modelo é indicado, em especial, pela facilidade de elaboração, que pode ser feita de maneira colaborativa e com a utilização de adesivos e autocolantes. Ao completar o Quadro, você vai conseguir refletir sobre cada função da empresa e descobrirá o que é necessário para conquistar seus clientes de maneira rentável.

No total, são nove seções, agrupadas em quatro blocos, que deverão ser preenchidas na seguinte ordem:

  • o que é (valor de negócio),
  • para quem (clientes),
  • como fazer (estratégia e recursos disponíveis) e
  • quanto receber (fontes de renda e custos).

Aos poucos, você perceberá que o Canvas funciona como um quebra-cabeça e que, em algum ponto, todos os blocos vão se integrar.

Cada etapa é fundamental para o processo. Por isso, preste atenção em cada uma delas, crie uma correlação e, se necessário, faça ajustes. Preparar seu BMC vai ajudá-lo a fazer melhores escolhas e, com isso, evitar que gaste dinheiro de maneira equivocada.

Então, não importa o tamanho da sua empresa, mesmo se você estiver trabalhando sozinho ou com uma equipe de 100 pessoas ao seu lado: o Modelo de Canvas é altamente indicado.

Como montar seu Business Model Canvas?

Para armar o seu BMC você vai precisar somente de alguns utensílios, tempo e disposição. Por exemplo, utilize:

  • canetas coloridas;
  • blocos de notas autocolantes;
  • uma folha com o modelo do Quadro de Canvas (em uma cartolina, de preferência, para ter mais espaço).

Para completar o seu Business Model Canvas, você deverá preencher as informações dos quatro blocos principais, detalhados a seguir, que estão separados em nove seções. Os papéis autocolantes vão oferecer flexibilidade para alterar as informações durante todo o processo de criação do seu modelo de negócios.

1. O que vou fazer?

Nesse primeiro bloco, você vai formar sua Proposta de Valor, que é basicamente o diferencial do seu serviço ou produto. Para isso, você deverá refletir sobre o que está oferecendo, como está atingindo as necessidades dos seus clientes e atendendo as novas demandas do mercado.

Responder a pergunta seguinte também poderá auxiliá-lo na definição de Proposta de Valor: “Por que seus clientes devem comprar de você e não dos seus concorrentes?”

Sua Proposta pode estar centralizada no preço, na qualidade do atendimento, na experiência junto ao produto ou serviço, na rápida performance da sua entrega, entre outros. Não existe certo e errado: o importante é estudar o mercado, conhecer sua concorrência e criar um diferencial sólido.

2. Para quem vou fazer?

Agora que já sabe o que vai fazer, precisamos refletir “para quem” vamos fazer.

A. Segmentação de clientes:

Existem poucos produtos massivos, de alcance nacional e que sirvam para homens, mulheres e crianças de todas as classes sociais. Por isso, é necessário segmentar o seu público e identificar quem é o cliente que estará mais apto a consumir seus produtos e serviços. Você poderá segmentar de diversas maneiras: localização geográfica, idade, sexo, poder econômico, interesses, hobbies, etc.

Exemplo: Restaurante Vegetariano

Público: Moradores e pessoas que trabalham no bairro XX de São Paulo, que não comem carne ou que apresentam interesse por uma alimentação ou estilo de vida saudável.

B. Canais

Em quais canais você fará a entrega dos produtos ou serviços?

Exemplo de canais para um restaurante vegetariano: Restaurante e delivery.

C. Relacionamento com clientes

Nesse ponto, precisamos refletir sobre como conquistar e manter uma relação com clientes, de forma que recomprem seus produtos ou continuem adquirindo seus serviços sem ir à concorrência.

Exemplo do restaurante vegetariano: cupons de desconto, cartão fidelidade, prato do dia, etc.

3. Como vou fazer?

Já nesse terceiro ponto, você precisará entender como vai fazer o seu negócio acontecer. Identificar quem serão seus parceiros, quais serão suas atividades principais e os recursos necessários para praticar tais atividades.

A. Parcerias

Quem serão seus parceiros? Fornecedores? Revendedores?

Percebe que, aos poucos, tudo vai se conectando como uma teia? Dependendo dos canais de relacionamento com o seu cliente ou com a sua Proposta de Valor, você precisará formar parceiros estratégicos em diversas áreas. Se necessário, faça uma linha de toda a cadeia produtiva do seu produto e identifique que tipos de parceiros serão essenciais para concretizar cada etapa do negócio.

B. Atividades principais

Dependendo da sua Proposta de Valor, você poderá realizar diferentes atividades. Entre elas: produção (como roupas e acessórios), resolução de problemas (manutenção e consertos), plataformas (de vendas ou serviços de transporte), entre outras.

C. Recursos Principais

Faça um levantamento de todos os recursos físicos (como móveis, alugueis, máquinas, imobiliário) e humanos (funcionários, consultores, advogados, contadores, etc.) que serão necessários para colocar o seu empreendimento de pé.

4. Quanto vou ganhar?

Nessa última etapa, agora que já sabemos o que vamos fazer, para quem e como, precisamos definir outro ponto fundamental: quanto ganhar. Aqui, você precisará avaliar quais serão suas fontes de receita e o quanto sairá para colocar o seu negócio funcionando. Dessa forma, você estará preparado para realizar uma projeção realista de quanto vai ganhar.

A. Fontes de receita

Você poderá ter mais de uma fonte de receita em um único empreendimento. Muitos empresários, inclusive, optam por variar essa fonte, utilizando a estrutura e recursos disponíveis para obter renda de diversas maneiras. Exemplos de receitas: vendas diretas, cursos, modelo de assinatura, entre outros.

B. Estrutura de custos

Realizado o levantamento dos recursos necessários para o seu negócio, será muito mais simples armar sua estrutura de custos, pois será preciso colocar o preço de cada ponto. Você também poderá separar entre custos fixos e variáveis.

Agora que você já completou o seu Quadro, perceberá que criar o seu Business Model Canvas lhe deu mais clareza sobre o empreendimento, otimizou seu tempo e será extremamente útil na criação do seu Plano de Negócios. O BMC nos possibilita verificar e corrigir cada aspecto, colocando em destaque tudo o que é mais importante e ajudando a descobrir erros que não teríamos percebido.

Gostou deste artigo sobre Business Model Canvas? Restou alguma dúvida sobre o assunto? Deixe um comentário!

Escreva uma resposta ou comentário