Tudo o que você precisa saber sobre contratação e demissão​

Contratar ou demitir um funcionário exige certo grau de planejamento para que nem a empresa e nem o funcionário sejam prejudicados. Na contratação, um processo bem-feito será sinal de resultados em longo prazo, enquanto na demissão o resultado será de respeito ao funcionário e à legislação vigente.

Confira a seguir tudo o que você precisa saber sobre contratação, demissão e como garantir que esses dois processos sejam feitos do jeito certo.

A contratação

O processo de contratação é necessário na grande maioria das empresas e, por isso, deve ser feito da maneira correta. Um processo de contratação bem-feito não apenas reduz os custos gerais, como também é voltado para resultados em longo prazo. Nesse sentido, algumas perguntas precisam ser feitas para que você garanta que tudo será adequado a sua empresa e essas questões incluem:

A contratação é necessária?

Uma das coisas mais importantes num processo de contratação é ter certeza de que a contratação é necessária. Isso é importante porque muitas vezes um processo de contratação poderia ser facilmente substituído com uma alocação interna de pessoal, evitando todos os custos que serão necessários para contar com uma nova pessoa no quadro de funcionários.

O candidato se encaixa na empresa?

Mais do que olhar apenas as qualificações, que são importantes, é necessário avaliar o candidato como um todo. Isso significa responder à questão se ele realmente se encaixa na empresa e se está em conformidade com o que a empresa acredita e vive.

Muitas vezes um funcionário tem as qualificações certas, mas não tem as características que o fazem ser um verdadeiro membro da empresa — em alguns casos o engajamento pode ser mais importante do que a qualificação em si.

O que é necessário para a regularização?

É totalmente indispensável que as contratações sejam feitas de maneira inteiramente regular, o que significa que a legislação do trabalho precisa ser seguida adequadamente. Em um processo de contratação também é preciso pensar em quais são as etapas necessárias para a regularização desse funcionário, como qual o piso salarial que deve ser pago, carga horária e quais os impostos devidos da contratação.

Quais serão os treinamentos necessários?

Por mais capacitado que um profissional seja, ele precisará receber treinamentos para que se adapte às condições específicas da nova função. Por isso, antes mesmo da contratação, planeje quais serão os treinamentos necessários para que o funcionário explore seu máximo potencial.

A demissão

A demissão muitas vezes é um mal necessário e que precisa ser planejada para que tudo ocorra da melhor maneira possível. Nesse sentido, a primeira coisa deve ser avaliada é a necessidade de demissão e, se confirmada, pensar em quais serão as burocracias decorrentes.

Demissão sem justa causa

Se for uma demissão sem justa causa, será necessário pagar uma série de valores indenizatórios para o funcionário. Em todos os casos, você terá que pagar alguns tributos e também fazer comunicados oficiais aos órgãos competentes.

Como comunicar esse tipo de notícia

A demissão deve ser feita de maneira cuidadosa e levando em consideração que esse é um momento delicado. Normalmente, o mais recomendado é que o funcionário seja demitido pela manhã e possa voltar para casa pelo resto do dia.

Demissões no meio da semana também são mais indicadas do que no começo ou no final, assim como demissões antes de datas importantes, como férias, feriados ou aniversários devem ser evitadas.

Uma abordagem direta e honesta sobre os motivos da demissão também ajuda o processo a ser menos complicado. Por fim, deixar que o funcionário absorva a notícia com calma e no seu tempo também é bastante benéfico, evitando confusões ou situações que possam sair do controle.

A contratação e a demissão são dois processos antagônicos, mas que exigem planejamento e cuidados por parte dos gestores para que sejam feitos da maneira correta. Ao responder às perguntas principais sobre a contratação e ao seguir os passos certos da demissão, portanto, ambos os processos ocorrem sem maiores prejuízos para a empresa ou para o funcionário.

Assine a nossa newsletter e receba muitos outros conteúdos como esse em seu e-mail!

O que é Customer Success e como implementar em sua empresa

Diariamente surgem novas modalidades de serviço e atendimento ― e cabe às empresas mais antenadas no mercado colocarem-se em dia com essas novidades e implementarem, caso necessário, em seu negócio.

Uma das novidades que tem chamado atenção atualmente é o setor de Customer Success. Muitos, entretanto, se perguntam se esse novo tipo de atendimento ao cliente é realmente necessário, já que até então o atendimento tradicional tem se mostrado eficaz.

Porém é preciso entender: assim como surgem novas modalidades de produtos e serviços, mudam também as necessidades do seu público e, por isso, é extremamente necessário que tanto a sua empresa quanto os seus colaboradores se qualifiquem para entregar o melhor serviço para os clientes.

O que é Customer Success?

O profissional de Customer Success é, muitas vezes, conhecido como “suporte premium” dentro das empresas. No entanto, o trabalho desse profissional vai muito além de suporte ao cliente. Ele é responsável por garantir, como o próprio nome diz, que cada conta que administra tenha sucesso no alcance dos resultados. Para que isso aconteça, é fundamental que esse profissional:

― se torne um consultor de mercado para os seus clientes;

― acompanhe todo o ciclo de vida dos clientes ― isso é fundamental para que ele tenha, a cada dia que passa, mais conhecimento sobre o negócio, o cliente e suas dificuldades;

― seja proativo, buscando sempre auxiliar o cliente antes que o problema apareça. Para isso, é preciso trabalhar pensando sempre à frente, acompanhando de perto a evolução do negócio e conseguindo encontrar possibilidades de melhorias e prevenção de problemas que podem vir a ocorrer;

― saiba trabalhar em conjunto com o cliente: todo processo entre customer success e cliente pode ser um pouco complicado no início, e por isso esse profissional precisa ter paciência e organização para garantir que tudo dê certo. O nome disso é o trabalho à quatro mãos, onde o profissional, no momento de onboarding dos clientes, consegue dar um maior apoio e suporte para esse momento primário.

Como implementar o Customer Success na minha empresa?

Para implementar o setor de Customer Success na sua empresa, é preciso pensar: vale a pena otimizar os profissionais que possuo em minha equipe ou é melhor encontrar pessoas que já estão capacitadas para esse tipo de operação?

É interessante garantir que os profissionais escolhidos sejam pessoas que se preocupam com o cliente, que trabalham para conhecer cada vez mais o mercado e acompanham os resultados de perto. Um ponto interessante para esses profissionais é a capacitação para mensurar resultados, como certificação do Google Analytics, Inbound Marketing, dentre outras.

O grande segredo do customer success é saber agir com proatividade e entender quais são as maiores necessidades dos seus clientes e do mercado em que eles estão. É preciso saber que o mercado mudou, e que muitas são as novas necessidades e demandas do seu público alvo. Por isso, quanto mais voltada para os resultados sua empresa e sua equipe estiverem, melhor para os dois lados.

Gostou do artigo? Tem alguma dúvida sobre Customer Success? Não deixe de comentar.

Top 5 do IBM Interconnect 2016 by G2

Esta é nossa 2a. participação no IBM Interconnect. Até mesmo IBMistas, como são chamados os funcionários da IBM, se surpreendem com a grandiosidade do evento, é impossível, por algum momento, não tentar calcular o investimento na organização dele.

No encontro acontece um alinhamento geral das diretrizes para 2016 além de anúncios e inúmeras sessões com palestrantes do mundo todo, laboratórios, área de exposição e muitas atividades promovendo relacionamento.

Elenquei neste post os conteúdos mais interessantes pro nosso negócio e para PMEs, claro que nosso foco na IBM é Cloud, então acompanhamos principalmente o conteúdo relacionado a este tema.


#1
Cloud
Este ano houve um destaque ainda maior no tema Nuvem Híbrida e foi anunciada a importante parceria com a VMware (desculpem o “tecniquês”, paro já!). A IBM cita muito o termo Transformação Digital e convence ainda mais porque, apesar do seu tamanho, também transformou seu negócio rapidamente. No espaço de exposição haviam lá seus enormes servidores sim, mais pra mostrar aos parceiros e clientes onde seus dados estão sendo armazenados e processados do que para vendê-los. Nuvem não é mais tendência é realidade, já deu super certo!

#2
IoT – Internet of Things (Internet das Coisas)
Este tema é muito interessante e ainda um tanto novo por aqui. Assisti a uma apresentação simulando situações muito simples como, por exemplo, controlar de forma mais eficiente a segurança de funcionários de uma indústria. Para emissão de alertas em um painel de controle, situações de perigo são monitoradas utilizando como recurso a instalação de dispositivos eletrônicos em equipamentos de segurança do trabalho, como por exemplo, um capacete que informa a temperatura do corpo do funcionário ou mesmo se ele estava usando ou não o equipamento, imagina quantos acidentes podem ser evitados com soluções como esta.

#3
BlueMix como plataforma de desenvolvimento
Minha visão do que a IBM está apresentando com esta plataforma é que se empenham em prover agilidade para quem precisa desenvolver (e começar a ganhar dinheiro) rápido. Este ano as Startups ganharam destaque nas palestras, bom pra nós também, PMEs.  O Bluemix oferece uma facilidade e agilidade incrível em juntar códigos abertos para acelerar o desenvolvimento de aplicativos. Para quem é desenvolvedor vale a pena se aprofundar.

#4
Mobile e Analytics
Tudo que a IBM desenvolve agora, projetam primeiro para os dispositivos móveis, dale mobilidade! Vi um aplicativo ótimo pra área da saúde desenvolvido por uma operadora, simples e muito útil com funcionalidades desde pesquisar a rede credenciada até solicitação de reembolso e acesso a encaminhamentos médicos. Quanto a análise das informações, usando o BlueMix a ideia é preparar dashboards muito rapidamente ligando as mais diversas fontes de dados e unificando a informação.

#5 
Blockchain
Este é realmente o mais novo de todos os temas aqui. Vi uma belíssima apresentação com sala lotada e um palestrante muito competente explicando (e demonstrando) o conceito. É lindo de ver. Basicamente trata-se de uma tecnologia que garante uma enorme segurança de transações cujo produto final é um livro razão já escriturado, auditado e sem furo. Imagine um processo de produção e venda de veículos com controle de todas as transações desde a fabricação, passando pelo emplacamento e certificações do DETRAN e transações bancárias de compra e venda, tudo com criptografia e certificação, este é um exemplo de aplicação do blockchain.

#Extras
– Palestras de Social Midia, perdi a do Linkedin mas vi a de Blog e Twitter, muito boas!
IMG_6414

– Slide de Robert LeBlanc, Vice Presidente Sênior de IBM Cloud, com nosso logo na  abertura do evento (General Session), única empresa brasileira!
Tela IBM Interconnect G2

– Show de fechamento do Elton John incrivelmente bem organizado com comida, bebida, conforto, todos os hits e brindes pra todo mundo entrar no clima.
IMG_6445

– E pra fechar, o Robô NAO dançando Macarena utilizando Watson, tecnologia cognitiva da IBM (outro assunto longo, deixa ele aprender português que falo mais sobre ele), também dançou Michael Jackson e Opaganastar, uma graça!

Quais os principais benefícios de um software de gestão para as PME?

Durante muito tempo, o investimento em tecnologia foi algo que apenas as grandes empresas podiam realizar, em decorrência do custo elevado de um software de gestão. Ainda hoje, infelizmente, esse pensamento prevalece entre muitos gestores.

Contudo, com a evolução tecnológica, assim como o desenvolvimento de ferramentas em computação na nuvem – que representam menor custo -, esse investimento se tornou possível. No artigo de hoje, vamos mostrar quais são os benefícios de um software de gestão. Confira!

Automatização dos processos

Muitos processos em pequenas e médias empresas ainda são realizados manualmente, o que os deixa mais sujeitos a riscos e falhas que podem acabar prejudicando algum resultado. A utilização de um software de gestão automatiza esses processos e garante maior agilidade, produtividade, maior confiabilidade e segurança no armazenamento e compartilhamento das informações.

Saiba mais sobre profissionalização nas pequenas e médias empresas.

Padronização de processos

Ainda sobre o impacto nos processos, podemos dizer que um dos benefícios de utilizar uma ferramenta de gestão em pequenas e médias empresas é a padronização dos processos. A padronização tem início antes mesmo de se implementar o sistema – uma vez que, para que o sistema funcione adequadamente, é necessário ter processos bem definidos – e mesmo depois, já que é preciso seguir o fluxo implementado para as atividades.

Essa padronização também proporciona maior agilidade na execução da tarefa, diminui os índices de erros e retrabalhos e ainda facilita o aprendizado para novos funcionários.

Maior integração entre as áreas

Um software de gestão empresarial possui diversos módulos que cobrem várias áreas da empresa. Com isso, é bem mais fácil manter o fluxo de informações constante e promover maior integração entre os departamentos.

Dessa forma, é bem mais fácil fazer o controle financeiro das operações, acionar os fornecedores caso os níveis de estoque estejam baixos, fazer previsão de demanda de vendas, entre outras atividades que requerem o trabalho conjunto das áreas.

Maior controle sobre os pedidos dos clientes

Outro ponto importante é o controle sobre o pedido dos clientes. Como o software de gestão permite a integração entre as áreas, o pedido do cliente pode ser controlado desde o momento em que ele é inserido no sistema pelo setor de vendas, passando pelo estoque e separação da mercadoria, emissão de nota fiscal e outros documentos, além de expedição e envio para entrega, se for o caso. Nota-se que o fluxo pode ser controlado de ponta a ponta, até o momento do recebimento no cliente.

Em mercados cada vez mais dinâmicos e com clientes cada vez mais exigentes, a agilidade e a assertividade no compartilhamento de informações, além da otimização de processos e resultados, são a chave para a as empresas conseguirem se manter competitivas no mercado – oferecendo bons serviços a preços justos para seus consumidores. Nesse aspecto, a utilização de um software de gestão de pequenas e médias empresas é fundamental.

Você já sabia da quantidade de benefícios e a importância que um software de gestão tem para as pequenas e médias empresas? De que outra forma você acredita que essa ferramenta poderia auxiliar na gestão e impactar nos resultados? Compartilhe suas opiniões conosco nos comentários e participe da conversa!

A importância do plano de contas para a PME: dicas para aprender como fazer um plano de contas

Um Plano de Contas nada mais é do que um elenco de todas as contas que representarão as movimentações de uma empresa, desde que afetem a estrutura patrimonial dela de alguma forma. Obrigações, bens e direitos, além dos componentes do patrimônio líquido, as despesas e as receitas devem ser detalhadas e apresentadas por este plano. Se você sabe o que é, mas não sabe como fazer um plano de contas, vai aprender neste artigo, pois o objetivo, além de mostrar a importância dele, é ajudá-lo a elaborar um.

Para que serve um Plano de Contas?

Ele serve para que o setor de contabilidade registre toda a movimentação da empresa de forma padronizada e organizada dentro dos sistemas de uma entidade. Ele deve ser exclusivo para cada empresa, dadas as especificidades e objetivos de crescimento de cada negócio, mas todo Plano de Contas deve seguir as Normas Contábeis Brasileiras, além de ser completo e com estrutura satisfatória.

Quando eu devo fazer um Plano de Contas?

Um Plano de Contas deve ser elaborado antes mesmo da abertura de uma empresa, pois ajuda a identificar os objetivos de crescimento de uma empresa e já deixa a “casa arrumada”, não necessitando de ajustes grandes conforme o negócio vai ganhando corpo.

Analogicamente falando, é como se, ao se casar, um chefe de família já comprasse uma van e, mesmo sabendo que ainda não tem filhos, já preparou a estrutura toda para a chegada da criança, comprando até a cadeirinha para levar o filho que está por vir. O Plano de Contas é como esta van, pois já se antecipa ao futuro, não deixando que surpresas atrapalhem o planejamento empresarial.

Como é a estrutura de um plano de contas?

Ele é dividido em níveis hierárquicos, os quais vão de 1 a 5. O quinto nível é o nível que recebe os lançamentos contábeis e os outros quatro apenas vão consolidando os valores. Por exemplo, uma empresa pode ter várias contas correntes nos bancos A, B, C e D. As contas de nível 5, chamadas de analíticas, receberão os lançamentos bancários de entradas e saídas de recursos em conta corrente e as contas de níveis 1 a 4, chamadas de sintéticas, apenas realizarão as somas, de acordo com as movimentações totais nas contas correntes.

Como elaborar um Plano de Contas?

O ideal é que se conheça a estrutura do Balanço Patrimonial (BP) e da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). As contas patrimoniais (do BP) e as de resultado (da DRE) deverão ser separadas em grupos.

Normalmente, o grupo 1 representa as contas do Ativo e o 2 representa as contas do Passivo e do Patrimônio Líquido. As contas de resultado aparecem no grupo 3 com as Receitas e no grupo 4 com as Despesas. Algumas estruturas apenas apresentam as contas de resultado (Receitas e Despesas) no grupo 3, dependendo de como seja elaborado o Plano de Contas.

A codificação segue a ordem em que as contas aparecem no BP e, no caso da DRE, geralmente as receitas aparecem antes das despesas. Não importa a empresa em que você trabalhe nem a área de atuação dela, o Plano de Contas sempre terá a mesma espinha dorsal, que já é definido em seu software contábil escolhido

Para iniciar um negócio, é importante seguir todos os passos importantes e saber como fazer um Plano de Contas definitivamente é um passo importante que irá permitir a sua empresa o crescimento mais tranquilo e continuado.

Quer saber mais sobre Plano de Contas? Entre em contato conosco e deixe um comentário!

5 dicas de otimização para a gestão de pessoas em pequenas e médias empresas

A gestão de pessoas é utilizada por grandes empresas e multinacionais para reter talentos e motivar profissionais. Não é para menos, pois a equipe de trabalho tem fator decisivo no sucesso de um negócio, independente de seu tamanho. Por isso, também é preciso investir na gestão de pessoas em  pequenas e médias empresas (PMEs). No entanto, muitos diretores e donos de PMEs acreditam que realizá-la tem um alto custo e que são relevantes apenas para as grandes empresas. Pensando nisso, separamos, neste artigo, algumas soluções para otimizar a gestão de pessoas em pequenas e médias empresas, confira!

A importância da gestão de pessoas

Essa iniciativa, quando bem aplicada, pode aumentar a motivação da equipe e a qualidade de vida, engajamento e satisfação no trabalho, além de atrair e reter talentos. Todos esses fatores são essenciais para aumentar a produtividade e garantir bons resultados, uma vez que funcionários qualificados, engajados e comprometidos com a empresa apresentam desempenho melhor.

Defina uma missão

Todas as empresas tem um objetivo, não é mesmo? Além do crescimento e alcance das metas, é preciso definir a missão pela qual a empresa existe e divulgá-la entre os funcionários. Com isso, eles perceberão que fazem parte de um propósito e que são importantes para a empresa.

Desenvolva a liderança

A presença de um líder é bastante positiva no ambiente de trabalho. Esse profissional contribui com o aumento do engajamento da equipe e produtividade. Além disso, ele direciona, inspira e motiva os funcionários a alcançarem as metas. Se sua empresa não tem uma liderança eficiente, alguns recursos, como programa de coaching, treinamentos para lideranças e cursos são úteis para desenvolver técnicas e habilidades de liderança entre diretores e gerentes.

Invista na motivação dos funcionários

Funcionários motivados contribuem, e muito, para o desempenho da equipe; portanto, invista em ações para manter a equipe motivada. A presença do líder, como dito acima, é um fator importante para isso, mas há outras ações que podem ser realizadas, tais como: plano de carreira, pacote de benefícios, programas de treinamento e qualificação de funcionários, reconhecimentos profissional, presença de equipe multidisciplinar, entre outros. Analise as opções e escolha as que se adéquam melhor à realidade da empresa.

Procure dar e receber feedback

Acompanhar os processos, avaliar o desempenho dos funcionários individualmente e ouvir a equipe também são itens importantes para realizar uma gestão eficaz de pessoas. E essa pode ser uma vantagem das PMEs, pois como as equipes são mais enxutas, o acompanhamento das atividades e a comunicação se tornam mais acessíveis.

Ao receber feedback, os profissionais têm a oportunidade de analisar seu desempenho e buscar soluções para melhorar. Por outro lado, abrir espaço para ouvir a opinião e sugestão deles contribui para um melhor ambiente de trabalho, além de integrar a equipe ao processo. Quando os funcionários participam da definição dos objetivos eles se sentem mais engajados e motivados para alcançarem as metas.

A gestão de pessoas não precisa ficar limitada apenas às grandes empresas. Como vimos é possível otimizá-la em pequenas e médias empresas também. Nesse processo, a presença do líder e do feedback são extremamente positivos e podem ser aplicados às PMEs. Por isso, invista em treinamento para desenvolver a liderança na empresa e procure aplicar ações visando aumentar a motivação dos funcionários, de modo a melhorar a gestão de pessoas e, assim, garantir o sucesso do negócio.

Sua empresa aplica iniciativas de gestão de pessoas? Tem outras dúvidas sobre o assunto? Deixe sua opinião nos comentários abaixo!

Como melhorar a Eficiência Operacional da sua empresa?

No cenário do mercado econômico atual e diante da concorrência acirrada no mundo dos negócios, o empreendedor deverá se preocupar constantemente com a evolução dos resultados do seu empreendimento para, então, alcançar o sucesso almejado e uma maior rentabilidade em seu negócio.

Nesse sentido, a eficiência operacional no processo de produção contribui significativamente para o melhor desempenho dos resultados e garante o destaque da empresa perante os concorrentes. Afinal, o que os clientes buscam é uma experiência de satisfação com os produtos ou serviços de qualidade a um preço justo. Mas, para que a empresa consiga oferecer isso, é preciso reduzir as perdas e aumentar a capacidade dos recursos disponíveis.

Existem algumas estratégias possíveis para ganhar eficiência operacional e, com isso, reduzir custos, melhorar a qualidade dos serviços ou produtos e, é claro, aumentar a margem de lucro. Continue com a gente e confira as dicas a seguir.

Investir em tecnologia

Para obter a melhoria do desempenho das tarefas e processos de produção da empresa é importante investir em tecnologia. Seja através da implementação de softwares ou da inovação do maquinário, a tecnologia é forte aliada para garantir o melhor aproveitamento dos recursos materiais e humanos disponíveis.

Contar com um software de gestão empresarial, por exemplo, contribui para uma melhor eficiência operacional da sua empresa, já que assim é possível automatizar tarefas e reduzir tempo e recursos com eliminação de alguns processos manuais. Além disso, através do sistema integrado, há um aumento relevante do fluxo e precisão das informações e relatórios que auxiliam na tomada de decisões.

Treinar a equipe de colaboradores

Um sistema de gestão empresarial ou um maquinário novo certamente oferecerão benefícios para os colaboradores na realização de suas tarefas e um melhor aproveitamento do tempo empregado. Contudo, é necessário que os funcionários estejam aptos à utilização das novas tecnologias que a empresa dispõe.

Afinal, a estrutura organizacional e os processos internos de produção afetam diretamente a eficiência operacional da empresa, assim como o ideal da organização e o perfil dos funcionários também são cruciais para a melhoria da eficiência operacional. Portanto, é importante contar com uma equipe bem treinada para lidar com as ferramentas disponíveis e explorar ao máximo suas próprias potencialidades.

Replanejar a distribuição das tarefas

Com a implementação de novas tecnologias será necessário replanejar a organização da empresa e redistribuir as tarefas executadas pelos colaboradores, até porque, se empresa passar a contar com software de gestão empresarial, parte das atividades será automatizada e os colaboradores terão mais tempo disponível para a realização de outras funções.

Replanejar pressupõe uma análise da situação anterior e atual da empresa, a fim de identificar as novas facilidades e necessidades da organização, bem como direcionar os esforços para as questões que merecem prioridade, enquanto as tarefas mais simples são resolvidas com o auxílio da tecnologia. Replanejar garante uma melhor alocação dos recursos e a consequente melhoria do desempenho e dos resultados da empresa.

E, então, pronto para começar a melhor a eficiência operacional da sua empresa? Ainda tem dúvidas? Compartilhe conosco, deixe seu comentário!

Como definir métricas em empresas de Serviços

Métricas são essenciais para acompanhar os processos produtivos e melhorar a gestão e crescimento de um negócio. Quando se trata de uma empresa de serviços, é importante também que a tecnologia seja uma aliada aos objetivos da organização para aumentar o desempenho e atrair clientes. Reunimos as 5 métricas essenciais para empresas de serviços que você deve ficar de olho. Confira!

Tempo de atendimento

Em qualquer tipo de atendimento, seja ele uma ligação telefônica, questionamento online ou uma visita de campo, é essencial garantir que o serviço seja prestado de maneira rápida. Ter uma ferramenta que calcula o tempo de execução do atendimento e comunicação entre colaboradores e um cliente é essencial para garantir, que o mesmo volte a procurar a sua empresa, e ajude a criar estratégias para melhorar a eficiência.

Taxa de cancelamento

Medir a quantidade de clientes que deixaram de renovar a procura pelos seus serviços, saíram da sua base de dados ou cancelaram atividades é fundamental para entender o seu comportamento. E também as preferências, reclamações, e quais os serviços são mais procurados, ou não, por eles.

E o mais importante: avaliar se há uma frequência de situações, ou um período específico, em que houve perda de consumidores. Este tipo de métrica ajuda a organizar estratégias, identificar problemas e inconsistências, e até mesmo reavaliar a prestação de serviços e melhorar a atuação da equipe através de treinamentos, por exemplo.

Relacionamento em longo prazo

Uma das tarefas mais difíceis para as empresas de serviços é conseguir fidelizar um cliente. Por isso é importante conquistar novos consumidores, mas também é fundamental ter um cuidado especial com os mais antigos, que serão os responsáveis por propagar a sua marca ou destruir a sua imagem. Esta precaução deve ser tomada, principalmente, em canais de comunicação mais rápidos e que atingem milhares de pessoas, como as redes sociais.

Medir o tempo de vida de cada cliente é entender o relacionamento dele com o seu empreendimento, quantas vezes, e quando, ele voltou a fazer negócios com a sua empresa de serviços, se houve recomendações para pessoas ligadas a ele, dentre outros aspectos. Essa métrica é essencial para observar os pontos que precisam ser otimizados e garantir a satisfação a longo prazo, pois consumidores satisfeitos são os mais fiéis.

Precisão na prestação de serviços

Quando uma empresa é voltada parcialmente, ou totalmente, para a prestação de serviços precisa investir em formas de otimizar esse processo para sobreviver ao mercado. Qualquer setor que passa por melhorias de gestão e atendimento pode gerar mais economia, atrair novos clientes e firmar a reputação da empresa diante da concorrência.

Para otimizar os processos preste atenção a detalhes. É essencial observar o período de atendimentos de chamadas e execução de serviços dos colaboradores, o tempo médio de espera dos clientes, taxa de finalização de visitas e o índice de demanda.

Satisfação do cliente

A métrica mais importante para qualquer empresa de serviços é cumprir os compromissos com os seus clientes, seja em prazo de execução ou finalização de um serviço. Muitos empreendimentos acabam se focando em lucro ou resultados da área de marketing e comercial, e esquecem que a taxa mais importante é a satisfação dos seus consumidores.

Lembre-se que essas pessoas procuraram a sua empresa por confiarem não apenas na qualidade dos serviços, como nas pessoas encarregadas por você para realizá-los. Em casos de reclamações, tenha uma postura apaziguadora e ouça ambos os envolvidos, sempre mostrando para o seu cliente que você se preocupa com a sua satisfação e fará o melhor para que isso seja resolvido.

E você, conhece outras métricas importantes para empresas de serviços? Quais as mais utilizadas no seu negócio? Compartilhe nos comentários!

Qual a importância de processos logísticos eficientes para uma PME?

Quando uma empresa depende em parte — ou em totalidade — de processos logísticos como meio de sobrevivência no mercado, todas as atenções se voltam para essas atividades, principalmente os investimentos em melhorias.

Porém, ainda que outras empresas não trabalhem diretamente com logística, elas também dependem de alguns processos logísticos eficientes para garantir bons resultados. A seguir falaremos mais sobre quais são esses processos dentro das pequenas e médias empresas e explicar sobre sua importância. Confira.

Monitoramento de fornecedores

Ainda que a negociação e o relacionamento com fornecedores sejam processos voltados para a atividade de compras, o monitoramento das entregas dos fornecedores na empresa faz parte dos processos logísticos. Isso envolve diretamente as atividades de recebimento e gestão de estoque.

A eficiência desse processo ajuda a garantir que os prazos serão cumpridos, a garantir níveis mínimos de estoque e evitar que as mercadorias não faltem nas prateleiras.

Gestão de estoques

Pequenas e médias empresas também precisam gerenciar estoques, ainda que eles sejam bem pequenos. O controle de estoque é um dos processos logísticos que são mais evidentes em PMEs.

Garantir uma gestão de estoque eficiente ajuda a entender melhor a demanda dos clientes, realizar compras de mercadorias mais condizente com a realidade, evitar faltas ou excessos em estoque, reduzir índices de desperdícios e perdas, além de garantir que o capital da empresa será bem investido na compra dos materiais.

Previsão de demanda

Ela está diretamente ligada à gestão de estoques. Com uma gestão de estoque eficaz é possível obter informações a respeito da demanda em períodos anteriores e usar isso como base para as decisões de compra — análise que deve ser aliada ao estudo do mercado.

Além disso, uma previsão de demanda assertiva contribui para deixar a gestão de compras e estoques ainda mais eficientes, garantindo que os itens que serão comprados atenderão à procura dos clientes ao mesmo tempo em que evita excesso ou faltas no estoque.

Monitoramento de transporte

Ainda que o transporte não seja a atividade fim de uma empresa, ela pode depender desse serviço para realizar as entregas de suas mercadorias aos clientes. Quando é o caso, o monitoramento do transporte também é um processo logístico que precisa ser eficiente. Ele ajuda a garantir que os prazos combinados serão cumpridos, garantindo, também, a satisfação dos clientes.

Fortalecendo a cadeia de suprimentos

Processos logísticos envolvem monitoramento dos fornecedores e do transporte, passando pela gestão de estoques e outros processos relacionados a ela — como a previsão de demanda, por exemplo. Com o controle sendo feito de uma ponta a outra, pode-se dizer que há uma integração entre fornecedores, empresa e seus parceiros, buscando melhorar continuamente seus processos.

É disso que trata o gerenciamento da cadeia de suprimentos — a sinergia entre as empresas envolvidas. Quando essa cadeia é fortalecida e as empresas passam a ter objetivos em comum — a otimização de resultados e a satisfação de seus clientes —, todas se fortalecem e passam a competir no mercado como um grupo, ao invés de tentar sobreviver individualmente.

Os processos logísticos fazem parte de qualquer empresa, ainda que elas sejam PMEs. Garantir a eficiência deles é garantir melhores resultados, redução de custos, maior eficiência, redução de desperdícios e contribuir para aumentar a satisfação dos clientes com relação aos produtos e serviços oferecidos.

E você, leitor, já sabia que os processos logísticos estão tão presentes em pequenas e médias empresas? Deixe-nos saber quais são suas opiniões a respeito do assunto. Utilize os comentários e participe da conversa!

Parte 2: Resumo particular de 2015 e apostas para 2016

Este post é sequência do “Parte 1: Resumo particular de 2015 e …”, preparei uma lista do “Bom e Barato” como sugestões para 2016 que valem a aposta.

1. Marketing Digital
Além do tradicional site, que toda a empresa tem que ter, e também alguma prática de CRM (Customer Relationship Management) via e-mail marketing (ressaltando que vem sendo substituído por mensagem de texto como SMS e WhatsApp, muito mais eficientes), as PMEs já incorporaram novas ideias aos seus negócios como o Inbound Marketing (basicamente atrair o cliente com conteúdo de interesse dele objetivando sua permissão para outras ações), Blogs, maior participação em Mídias Sociais e investimento em Google Adwords (cliques pagos do Google Search) e SEO (forma de melhorar a posição do seu site na busca orgânica do Google, cuja credibilidade e resultado são muito melhores, mas é necessário um profissional para se dedicar a esta atividade, vale terceirizar a uma agência também).

2. Compartilhamento
Sem dúvida este tema está na minha lista de interesses para estudar em 2016. Não vou me arriscar em sugestões muito absurdas, mas se a crise te pegou de jeito, minimamente um escritório compartilhado é uma ideia ótima se já não pode bancar o aluguel do escritório sozinho. Outros exemplos próximos de nós é a carona compartilhada, o aluguel de bicicleta, restaurantes em casa (de quem cozinha e de quem recebe um grupo de pessoas e precisa de um cozinheiro por um jantar apenas), Waze, Uber, Airbnb e fora do país tem mais opções ainda. Este ano troquei livros do meu filho na Bibliotroca da escola pelos do ano que vem, dale sustentabilidade, vamos trocar mais e reutilizar!

3. Promoção de Eventos menores
Se está precisando cortar custos, imagino que sim, aplique o corte aos eventos diminuindo em tamanho mas mantendo um bom retorno dando maior atenção ao conteúdo, público, local e formato. Convide um grupo pequeno de leads ou clientes que estejam no estágio certo do seu funil de vendas para alcançar o resultado que você espera.

4. Treinamentos e Reuniões Remotos
É muito comum que seu cliente tenha restrições a este tipo de procedimento mas é tão econômico e eficiente que vale a pena apresentar o modelo durante a negociação explicando que ele acaba tendo vantagens como exclusão dos custos de despesas de deslocamento, estacionamento, refeições e/ou hospedagem no projeto. Falando especificamente de treinamentos, a G2 adotou uma estratégia diferenciada criando vídeos e testes práticos para que o usuário veja e treine quando e quantas vezes quiser.

5. Home office
Cada vez mais empresas estão aderindo a modalidade por motivos óbvios, o funcionário fica feliz por não se deslocar e trabalhar no conforto do seu lar e a empresa reduz custos com o funcionário e colabora com sua motivação. Ah, você também tem direito a home office, ok? Meu dia rende como nunca!

6. Loja virtual
Se sua empresa comercializa um produto ou serviço adaptável a um e-commerce, você já deveria estar lá! Hoje em dia é muito simples se criar uma loja virtual, há ferramentas prontas, geralmente o provedor de hospedagem do seu site oferece este serviço a um custo muito pequeno, basta contratar, fazer algumas configurações e logo você estará faturando na internet.

7. Nuvem
Se você ainda não paga software como serviço (SaaS) está na contramão do mercado. Há muitos aplicativos disponíveis, desde ERP (sistemas de gestão) até pacotes office. São muito mais econômicos, seguros, o pagamento é mensal e você acessa de qualquer lugar a qualquer hora com o dispositivo que você já usa na sua empresa, seja um computador, um notebook, um tablet ou até mesmo um celular.


Este é meu último post de 2015, desejo que você renove suas energias durante as festas de fim de ano entre família e amigos, que consiga algum tempo pra relaxar antes que 2016 comece e que este seja um ano de oportunidades, ele pode vir em forma de personal trainer daqueles mais invocados, mas que te deixe em ótima forma física e mental pra enfrentar o que quer que venha.

Deixo aqui umas citações para que você mantenha o ânimo!

“Nunca conheci pessimista bem sucedido”
Jorge Paulo Lemann, Endeavor Brasil

“Animal de barriga cheia não caça”
Jorge Gerdau, Gerdau

“Quando o mar está agitado, você precisa ser navegante. Alguns tendem a nem sair para a água. Em tempo de crise, é normal querer ser pequeno e passar pela onda por debaixo. Mas se você tem uma equipe com uma cultura de resolver problemas e consegue encontrar, intrinsecamente, essas forças dentro do time, você enfrenta qualquer coisa”
Guibert Englebienne, Globant

Fonte das citações: Endeavor Brasil

Boas festas e obrigada pela companhia virtual, começamos o blog em agosto e já temos mais de 2mil visualizações registradas, até 2016!